O fantasma do jugo desigual no casamento
10 de julho de 2018
Mais uma vez, aborto
4 de agosto de 2018

A revolução não será televisionada

Em tempos de crise econômica e política, as mazelas do nosso país ficam ainda mais evidentes: miséria, desemprego, precariedade das instituições públicas, corrupção, criminalidade… Olhamos pro Brasil e vemos um quadro desolador – para muitos, sem solução. Talvez isso nos deixe carentes ou desesperados a ponto de acreditarmos em salvadores da pátria e nas promessas de revolução que agradam os nossos ouvidos, mas o que temos visto até então é que há muito discurso e pouca prática.

Não acredito numa revolução que seja feita de cima pra baixo, por iniciativa de um político ou de um grupo. Pode parecer loucura para alguns, mas defendo que há uma ligação direta entre o cristianismo e a política, mas não da forma como conhecemos, com as práticas desprezíveis que estamos acostumados a ver entre igrejas e partidos. Acredito na eficiência do Evangelho, que nos dá visão e entendimento para agirmos politicamente em prol do bem estar das pessoas. E isso nunca vai acontecer por iniciativa de um grupo privilegiado que precisa da miséria alheia para se manter no poder (seja de que lado ele estiver). Essa iniciativa tem que ser nossa – minha, sua, do povo. A revolução já foi feita, já temos as ferramentas, só precisamos usá-las. Por isso, quero relembrar aqui um texto meu de 2012 e reforçar que “maldito é o homem que confia no homem” (Jr 17:5). Nossa esperança está no Senhor (Sl 33:20) e Seus ensinamentos são mais do que suficientes para mudar a realidade que vivemos.

 

A revolução não será televisionada

 

Talvez você já tenha ouvido esta frase alguma vez. Ela é título de um documentário de 2003 sobre os principais acontecimentos que levaram ao golpe de estado contra o presidente venezuelano Hugo Chávez, ocorrido em 2002. Achei-a oportuna para intitular também este texto, mas não quero falar aqui sobre uma revolução política ou partidária. Quero falar da revolução que foi feita por Jesus Cristo, que é até bastante conhecida, mas pouco reconhecida como tal.

Ao estudar o Novo Testamento, percebo que só há uma palavra para definir o que Jesus fez neste mundo: revolução. O Evangelho é algo fascinante e, ao mesmo tempo, desafiador e transgressor. Sim, o Evangelho é transgressor. A partir do momento em que aceitamos o seu desafio, aceitamos viver de acordo com os ensinamentos de Cristo, nós transgredimos as normas desse mundo egoísta, vaidoso e idólatra e passamos a andar na contramão do mundo.

Jesus fez uma verdadeira revolução sem pegar em uma só arma, sem usar os meios de comunicação a seu favor, sem pedir um voto sequer, sem dinheiro, sem troca de favores. E não foi uma revolução qualquer: praticar o Evangelho FAZ a diferença, MUDA o mundo, muda a vida das pessoas – e para melhor. Jesus já fez o que tantos tentaram, sem sucesso, fazer. Só que, ao contrário do que se pensa, a revolução não se faz apenas uma vez, ela precisa ser reafirmada, alimentada, propagada, para que não se perca com o tempo e através das gerações. E cabe a nós esse papel retransmissor. Jesus nos deixou todos os aparatos para dar continuidade à Sua obra e nós precisamos mantê-la viva, para que o amor que Ele nos ensinou não se apague nem seja esquecido pela humanidade. Esta é a verdadeira revolução, que está em gestos simples e desarmados, sem espetáculos, sem maquiagem, sem violência e que, por isso, a televisão nunca vai mostrar.

“Ide, porém, e aprendei o que significa: misericórdia quero e não holocaustos” Mt. 9:13

 

1 Comentário

  1. Margarida disse:

    Perfeito esse post!

    É como o próprio Jesus disse e muita gente não entende ou não quer entender “pelos frutos conhecerei as obras” (Mateus 7:16).

    Jesus pregou misericórdia e Amor, não pregou fazer Acepção de pessoas. Quem segue os passos de Jesus e observa suas ações, sua filosofia e observa as ações de alguns líderes na igreja percebe a discrepância nos atos e nas ideias entre essas duas partes. Jesus prega uma linha de pensamento e eles vão no sentido oposto, assemelhando-se mais com as atitudes dos Fariseus e Saduceus.
    E agora para não serem questionados em suas ações vêm agora com esse jargão que “é pecado questionar a atitude de seu líder ” e que “em vez de questionar devemos aceitar e orar por eles”. Discurso ditatorial de quem não segue os passos de Jesus, pois até mesmo Maria recebeu a mensagem do anjo sobre sua gravidez e sobre a gravidez de isabel e ela se levantou e foi rapidamente vericar se realmente isso realmente estava acontecendo à sua prima (Lucas 1:39).
    Se o próprio Jesus no ensina a observar as obras dos profetas, se dão os bons frutos do Espírito, para que não sejamos enganados, como os líderes nos dizem para não questioná-los conforme a Palavra???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *